terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Mil e uma facetas

Este poema já o escrevi há 2 anos, mas não me lembro se o publiquei. Como gosto dele assim, ei-lo:

Desdobro-te em mil facetas
fascinantes
frágeis
num jogo de escondidas
e tu deixas-te doce
dançar a música
deambulando
nos meus dedos
na dobra que desdobro
frágil e fascinante
talvez mil e uma facetas
que deixas a descoberto
quando não sorris
e a felicidade passa aqui
e a música sobe no ar
e eu te desdobro
te arranho e te marco
e mordo os teus lábios
quando não sorris
desdobrando-te alucinada
na ponta dos meus dedos.

9 comentários:

Isabel-F. disse...

ainda não o conhecia ...

é bem lindo.


bjs

wind disse...

Sensual e tu tomas conta do "jogo":)
Beijos

peciscas disse...

Também ainda não conhecia.
Tem a tua marca.

A. João Soares disse...

Uma linda brincadeira com o lenço com que se limpam os lábios as faces, sentindo a maciez da seda, a carícia sensual na epiderme ávida de carícias.
E o lenço pode ser a representação de uma fantasia mais desejada.
E a poeta, sabendo utilizar pequenos gestos, elabora as mais lindas construções etéreas.
Muito lindo, ao nível do que nos tem oferecido. Bem haja.
Beijos
João

No blog Do Miradouro há novos artigos

rouxinol de Bernardim disse...

Excelente incursão erotico-poética
ao universo da líbido, com desibição e magia!

Excelente, até pela simplicidade!

TOONICES DO SABÃO disse...

Muito bonito!
bj

Entre linhas... disse...

Um toque alucinante de sentimentos que se desdobram alucinadamente.
Beijinhos
Zita

Rafeiro Perfumado disse...

E porquê 1001 facetas e não 1037?

Amaral disse...

A "Wind" tem razão!
Tu tomas conta do "jogo", ainda que ele seja às escondidas e onde "vale tudo" para espreitar a felicidade que passa...