terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Maré perdida

Numa perdida maré
revoltam-se as águas
feitas de íris e arcos,
navega-se ao som
de mãos abertas
e de asas encantadas
de gaivotas.

A chegada é um grito
de um súbito ondular
de vagas em delírio,
a maré perdida das águas
transporta a ilusão
em sonhos de vontade.

Falo-te de amor
necessidade de tactear
o que não conheço ainda
e, falamos de horizontes
a descobrir em cada
amanhecer no silêncio
de uma maré perdida.

3 comentários:

Isabel-F. disse...

bonito ... e eu adoro o mar ...

______________


tens um prémio lá no meu sítio ... vai lá buscá-lo ...


beijinhos

Antonio Sabão disse...

EXCELENTE! )

wind disse...

Muito bonito:)
Beijos