sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Anti-Prémio da Humanidade

Percorrida
pela perplexidade
de um mundo estúpido
feito de estupidez humana
rendo-me à insignificância
de pretender ser pessoa.


Dedico ao Victor Nogueira que no seu post diz tudo.

7 comentários:

wind disse...

De facto assim é, depois de ver o post dele.
beijos

poetaeusou . . . disse...

*
paulinha
,
quem tem os lucros,
dos diamantes,
do petróleo,
das madeiras,
das minas de vários metais ?
,
e a libertação dos povos ?

António Sabão disse...

Que horror! O mundo é assim? :(

efeneto disse...

Há palavras que possuem um som cavo, de buraco.
Outras que morrem, ou nunca existiram. Palavras fumo. Palavras névoa.
Há palavras que persistem e outras por inventar: palavras do nosso vocabulário íntimo, daquelas que nunca outros entenderão.
Palavras de água de silêncio, palavras sem medo nem linhas onde se escrevam.

É com palavras que lhe venho desejar um fim-de-semana cheio de sonhos e realidades,
Na companhia de quem lhe é mais querido.

Junto-me a essa dedicatória.
Irei ler
Beijito

A. João Soares disse...

O post do Victor Nogueira é um documento que faz pensar. O mundo não é assim, mas infelizmente tem casos deste em maior número do que o imaginável, O desejável era zero casos.
Não se trata de estupidez, mas de ambição dos poderosos, egoísmo, frieza, ausência de sentimentos. Onde estará o «coração» dos políticos desses países que vivem como nababos, em contraste com esta desumanidade?
Abraço

In Loko disse...

Que se pode dizer depois de visualizar esta imagem???

NADA!!! Nada de bom, é repugnante isto!!!

O mundo tão apregoado de belo e cheio de tantas tecnologias, tanta gente babada com tantas novas coisas boas.. temos isto, esta imagem, que é só uma... isto é triste demais!!!

Meu beijinho Paula!

TINTA PERMANENTE disse...

Esse é o prémio de todos nós: as grilhetas. As mesmas que julgamos asas.

abraço!