quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Negação

Quando a tristeza profunda
me invade e me ataca
em todas as frentes
é bom não pensar
não agir não vacilar
e deixar-me ir
assim como quem não sente
não ouve não fala
e não vê
porque nada é nada...

7 comentários:

Antonio Sabão disse...

Muito pessimista mas bem escrito!

Amaral disse...

Quando a tristeza "aparece", a negação tende a alimentar o ego...
Ao deixar de fora os sentidos, algo pode acontecer e transformar o "nada" em alguma coisa que nos proteja...

peciscas disse...

Se calhar, é melhor assim, pois a tristeza acaba por passar.

E aparece sempre que puderes. Que o tal trabalho com os números (também me deram que fazer durante muitos anos) corra pelo melhor.

A. João Soares disse...

Há quem cante o fado, quando a tristeza invade...
Tive um mestre de educação física que dizia algo parecido com este lindo poema. Quando nos magoávamos e nos torcíamos com dores, ele dizia: «não é nada, dói, incha, desincha e passa». E assim era, com a nódoa negra do hematoma!
A Paula também, na mesma filosofia acaba a dizer «porque nada é nada»
Beijo
João

Lumife disse...

Escritores da Liberdade é o prémio que tenho para ti no "BEJA .
Passa por lá e leva-o para o teu blog que bem o merece.


Beijos

poetaeusou . . . disse...

*
paulinha
,
auto-negação ?
,
nunca,
,
*

Å®t Øf £övë disse...

Paula,
Quando entramos em negação, não há nada melhor do que nos deixarmos ir ao sabor dos ventos da vida.
Beijinhos.