terça-feira, 27 de novembro de 2007

Sobreviver

Sobrevivente de restos
amargos e de feitos
desfeitos e refeitos
não acomodados
não causados
mas de efeitos
que prolongam
a sobrevivência
em estado incapaz
de amargura.

10 comentários:

MARTA disse...

Que nunca são esquecidos; ficam guardados na "sala" escondida do coração...
Porque devemos continuar a viver...
Lindo...
Gostei muito; obrigada pela sua visita...
Até já
Beijos e abraços
Marta

António Sabão disse...

Sobreviver? Lá terá que ser! :(

poetaeusou . . . disse...

*
viver sem amargura,
em doces feitos, prolongados,
*
bji
*

wind disse...

Amargo...
Para adoçar tens um desafio lá , se quiseres, claro:)
beijos

A. João Soares disse...

Muito bem traduzido esse caos de dores e gestão de restos! Há que arrumar gavetas e mandar para o sótão aquilo que não está a ornamentar o presente. É imperioso aproveitar o Presente que é aquilo que nos é oferecido agora para sermos felizes. Ou agora ou nunca!
Abraço

lena disse...

doce poeta

um sobreviver amargo

restos desfeitos

que ficam bem arrumados

em caixinhas

nas prateleiras da vida


viver é um hoje onde o sobre é um contra


abraço-te com a mesma ternura de sempre


beijos para ti Paulinha


lena

Bernardo Moura disse...

É preciso sobreviver, é preciso VIVER!

efeneto disse...

Da angustia para sobreviver...lá terá que ser...mal ou bem temos que ... sobreviver.

Besnico di Roma disse...

O presente é a espera do passado que tarda em chegar e o futuro que telefonou a desmarcar…

Palavras ao vento disse...

" Sobrevivente de restos
amargos e de feitos..."

Subtil, conciso e lindo...poeticamente falando.

Beijinhos.