quinta-feira, 3 de julho de 2008

Fogo


Mil emoções
espalham-se
pelas pétalas
que arranco
desenfreadamente,
feita louca
tontura e desatino,
deixa de fazer
sentido
qualquer emoção,
debaixo de fogo.


Foto: Gustavo Lebreiro

16 comentários:

wind disse...

Muito bom:)
Beijos

A. João Soares disse...

O fogo, a loucura, o destino são o orgasmo da emoção. Descontrolada, desenfreada, liberta de preconceitos. Diria, anti-social, politicamente incorrecta!!!
Mas, é na ausência de controlos, que a naturalidade e a espontaneidade nos faz sentir felizes.
Beijos
João

poetaeusou . . . disse...

*
fogo sagrado
,
em ti !!!
,
bjinos
,
*

Dad disse...

Lindissimo, Paula.

Beijinhos

Dad disse...

Já agora também uma palavra de apreço para o Lebreiro que tem fotos estupendas. Parabéns!

Isabel-F. disse...

belo.


bjs

Graça Pires disse...

As emoções debaixo de fogo. Gostei.
Um beijo.

alice disse...

um fogo de artifício nas palavras :) beijinhos, paula.

peciscas disse...

O poeta é sempre um ser contraditório.
Diz que deixa de fazer sentido qualquer emoção debaixo de fogo e, no entanto, o seu poema todo ele arde em emoção.
E é por isso mesmo que o poema nos toca.

lena disse...

o fogo é emoção feita loucura

o que escreves é lindo

é um sentir que gosto


terno abraço para ti, doce Poeta , doce Paula

beijinhos


lena

peciscas disse...

Não são lamechices, Paula.
Queremos que continues!

xistosa - (josé torres) disse...

É debaixo de fogo que nos aventuramos.
Procuramos a cura ou apagá-lo desenfreadamente quando nos queima a pele e se infiltra pelo corpo adentro.

Odele Souza disse...

Paula,
Teus poemas sempre me tocam. Porque são fortes, porque são belos.

E PARABÉNS pelo prêmio Blog Destak de Junho, oferecido por Isabel Filipe. Bem o mereces Paula.

Beijos e bom fim de semana.

Eduardo Aleixo disse...

O poema é muito forte e lindo. Gostei muito. Parabens, Paula, pelo prémio, inteiramente merecido.
Eduardo

Gui disse...

Emoção debaixo de fogo? Terá que ser sempre irracional, não achas?
Acredito mais nas emoções que se sentem perante a serenidade do mar do Estoril ou a pacatez e romantismo da serra de Sintra. E olha que sei do que falo, senti muitas emoções quer num quer noutro lado. Um beijo, Paulinha. Escreves maravilhosamente.

Xinha disse...

Soa-me a libertação... a renovação...
Poema forte e sentido !
Lindoo

Xi-coração