quarta-feira, 4 de junho de 2008

Palavras


Vens de mansinho
iluminar uma parte da estrada
solitária em que caminho,
embora a vaga ideia
se esfume no ar
os sentidos estão alerta
para lá da paixão...


Foto de Gustavo Lebreiro

6 comentários:

wind disse...

Gostei:)
Beijos

Laura disse...

Olá Paula... Os sentidos quer queiramos ou não, estão sempre alerta, pena que tenhamos tão poucos momentos desse alerta! Seria Divino!...
Um beijinho da, laura..

Maria Clarinda disse...

Hoje aqui estou, vim no meu silêncio ler todo o teu blog com aqueles posts que já tinha lido e os que não tinha...tirei um bocado da tarde e simplesmente divinal andar por aqui. Estão lindos os poemas...Obrigada por estes deliciosos momentos. Um jinho no teu coração.

Eduardo Aleixo disse...

Paula. O teu poema é lindo.Embora com cores de sombra - que a vida sempre tem - gostei de ver a luz a iluminar a árvore e o caminho. Que essa luz ilumine cada vez mais a tua vida.
Eduardo Aleixo

peciscas disse...

É conveniente que os sentidos nunca deixem de estar alerta.

leonor costa disse...

A paixão muitas vezes adormece-nos os sentidos de alerta!

Bjs


HOJE E AMANHÃ