sábado, 14 de junho de 2008

Frio

Poderosa a orgia
do teu corpo em nós
que desato lentamente
levemente docemente,
o cálido mar bravo
dos teus sinais
o teu olhar no teu sorriso,
as mãos que me tocam
e me escaldam
no frio gelado de ti.

7 comentários:

wind disse...

Um pouco paradoxal no fim:)
Beijos

Eduardo Aleixo disse...

É uma arte, um dom, mas indispensável, saber desatar, lentamente, lentamente, a quentura bravia das ondas do mar que te cobriram o corpo. Gostei do poema. Cálido.

Eduardo Aleixo

Fernando Rodrigues disse...

Muito bonito, parabéns

bjs

fernando

Graça Pires disse...

O olhar. O sorriso. As mãos: o fogo e a neve...
Um beijo.

poetaeusou . . . disse...

*
frio glacial
a tua ausencia . . .
,
jinos
,
*

A. João Soares disse...

Um quente frio, saboroso, gostoso!
Tanta força transmitida por este poema.
Beijos
João

cacharel disse...

"...No frio gelado de ti..."

Lindo este teu poema... que me aqueceu do frio da saudade...


Beijinhos perfumados