quinta-feira, 15 de maio de 2008

Sem título

O tempo virgem das flores
marca a passagem tempestusoa
silábica
e sintomática
de inclementes desejos
verbos poderosos
desenfreada paixão
a posse impossível
de todos os possíveis
tempos,
quando se casam
as sílabas
na diagonal da tua boca.

12 comentários:

wind disse...

Excelente jogo de palavras:)
Beijos

alice disse...

silábica, sintomática e sensual :)

um grande beijinho*

Carla disse...

porque quando as sílabas se casam com esta perfeição...explodem poemas em qualquer boca
beijos

Graça Pires disse...

O poema: onde todos os impossíveis são possíveis.
Um beijo.

peciscas disse...

O poema diz tudo. Não precisa de título.

Ana Patudos disse...

Simplesmente fantástico jogo de palavras. Beijos
Fica bem
Ana Paula

© efeneto disse...

"O tempo virgem das flores."
Amei esta frase. Diz tudo
Beijito de amizade.

Um Momento disse...

Lindo Paula
É sempre muito bom visitar-te
Beijo !

(*)

Zecatelhado disse...

Então ó poetisa, a coisa vai bem?
Espero que sim.

Um @bração do
Zecatelhado

poetaeusou . . . disse...

*
silabas
sem titulo,
,
jinos
,
*

A. João Soares disse...

Mas que título havia de ser dado? Neste estilo de poesia em que as palavras são de ouro, em vez da frustração destas palavras
«a posse impossível
de todos os possíveis»
gostava de ver 'a posse possível de todos os impossíveis', que seria um jogo de fantasias, de ilusões, de prazeres solitários, em que, em espírito, se torna possível o que o não é na realidade.
Já que não sou poeta, gosto de voar ao som das poesias aliciantes da Paula. Realmente como dizia um professor que ouvi durante dois ou três anos, arte é aquilo que nos dá prazer. E a poesia da Paula dá-me prazer. Se não tiro as conclusões da autora, tiro as minhas e com elas voo para o éter das fantasias.
Beijinhos
A. João Soares

Anónimo disse...

Os titulos nao sao precisos quando o conteudo e tao precioso como este aqui no teu poema. Lindo :)
Muitos beijinhos da tua filha xx