quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Art & Design

Quando a voz
se me embarga
não é o riso
é a ternura
que marca o momento.

As palavras calam-se
porque a voz não
consegue soar,
porque os gestos
tocam-me o coração.

Para a Isabel Filipe que me dedicou o post de hoje, com o poema que eu escrevi para Vermoim.
Um obrigada muito grande pela sensibilidade que ainda existe.

8 comentários:

Isabel-F. disse...

Obrigada pelo poema Paula.

É lindo.

_______________

comovida com o teu gesto,

fica um beijinho grande

wind disse...

Bonito:)
beijos

São disse...

Parabéns pelos poemas.
Vim através da nossa comum amiga , que muito admiro, Isabel Filipe!
Bom dia para si!

A. João Soares disse...

Apesar das palavras embargadas, fica aqui expressa a amizade, a sensibilidade e a generosidade, bons sentimentos que não devemos deixar passar sem uma palavra de elogio, por não serem tão frequentes como seria desejável.
Abraços para a autora e as comentadoras.
Feliz Natal para todas

No blog Do Miradouro há textos novos em cada dia.

Vieira Calado disse...

São assim os amigos. E não precisa de ser Natal...
Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Gestos bonitos de 2 pessoas muito bonitas, principalmente por dentro.
Beijinhos.

Odele Souza disse...

Paula,
Sensibilidade e Amizade. Que bonito é.

Um beijo.

viajante disse...

..e a sensibilidade habita aqui. Também.
BJ