terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Manhã

As manhãs febris exaustas
solarengas e de esperança
as manhãs cinzentas
taciturnas
nubladas e sem graça
são as manhãs
de todos os dias
de todos os anos
são as manhãs de volúpia
as manhãs claras
ignotas
manhãs de nós
são estas as manhãs
que despertam
no dia que o dia
não espera.

Manhãs de descobertas
manhãs encobertas
manhãs de hoje
são as manhãs
de um outro amanhã.


Com o tema Manhã escrevi este poema para a Noite de Poesia em Vermoim de 7 de Fevereiro.

35 comentários:

wind disse...

Nostálgico.
Beijos

Amaral disse...

Cada manhã é a descoberta de que todas as outras foram consequência dessa mesma manhã, única, nova e criativa.
"As manhãs de hoje são as manhãs de um outro amanhã"...

Delírios das Borboletas disse...

belíssimo poema.
amei.bjs

Sonia Schmorantz disse...

Parece um pouquinho entendiada com a vida, estou errada? Mas mesmo assim um belo poema.
Boa semana para ti
beijo

Devaneante disse...

Excelente amiga Paula! Gostei! :-)

Ana Martins disse...

E ficou muito lindo!!!!

Beijinhos,
Ana Martins

Gleidston dias disse...

manhãs de nós
são estas as manhãs
que despertam
no dia que o dia
não espera.

Um momento de grande inspiração,parabens bela construção de poema.

bjcss

j. monge disse...

é bom amanhecermos em nós. é ter o domingo no corpo.

beijo!

alice disse...

e eu estive lá com a amita e a teresa gonçalves e gostei muito :)

beijinhos, paula.

Maria Clarinda disse...

(...)são as manhãs de volúpia
as manhãs claras
ignotas
manhãs de nós
são estas as manhãs
que despertam
no dia que o dia
não espera.


Como sempre deliciosamente belo!
Jinhos muitos!

Carla disse...

nostalgia no cantar destas belas manhãs
beijos

Isa disse...

Curiosamente faço uma leitura diferente.As manhãs belas,agradáveis,voptuosas,ou ñ,
renovam-se na "manhã seguinte".Sucessivamente...
Beijoo.
isa.

Eduardo Aleixo disse...

As manhãs dependem dos nossos próprios alvoreceres. Que tenhas acordado hoje com pássaros dentro do teu coração.
Bj
EA

Isa disse...

Para deixar meu
Beijo.
isa.

manzas disse...

No castelo
Das expressões,
Estas palavras
Sobrevoam
O mundo inteiro…
Acorrenta e entoam
Paz aos corações
E aqui
Ao lê-las…
Ficarei prisioneiro

Uma semana carregada
De saúde,
Paz…
E muito amor.

O eterno abraço…

-MANZAS-

ausenda disse...

"manhãs de nós"...
que todos os dias tenham manhãs...!

Belo!Imenso!

Beijos

Fa menor disse...

E que belo poema!

As manhãs fazem-nos despertar para um novo dia que se quer radioso!

Beijinhos

Mariazita disse...

Valorizaste a Noite de Poesia em Vermoim com o teu belo poema!
Parabéns!

Beijinhos
Mariazita

peciscas disse...

Há sempre uma descoberta nas manhãs dos teus poemas.

Laura disse...

E com tantas manhãs, fizeste a festa, pois a smanhãs são a melhor parte do dia, e havendo algo em mira, o tempo ainda dará para aproveitar o dia!... Que todas as manhãs sejam para ti um manancial de amor!...
Beijinho da laura..

PreDatado disse...

Um dos meus desejos de sempre é que todos os dias eu tenha uma manhã.

sonhos sonhados disse...

KERIDA PAULA

...as "manhãs de hoje/ são as manhãs/ de um outro amanhã.".

...lindas palavras
e
bem verdadeiras.

jinhux létinha

Viajantis disse...

eu prefiro-as solarengas e de esperança....
Bonito!

Branca disse...

Que tenhamos muitas manhãs ainda, de esperança, de descobertas, de volúpia...

bjo carinhoso pra vc Paula!

pedro oliveira disse...

Pois por estes dias foram mais manhãs febris.
beijinhos

Eduardo Aleixo disse...

Hoje, quarta-feira, está uma bela manhã. Beijo
Eduardo

Mariazita disse...

Querida amiga
Na sidebar do Lírios há dois presentinhos para ti, que te ofereço com todo o carinho.
Quando quiseres, vai buscar.

Beijinhos
Mariazita

Júlia Coutinho disse...

Adorava ir um dia a Vermoim!
São lindas as tecituras que elaboras com as palavras.
beijos

Amita disse...

"Manhãs de nós"
"Manhãs de hoje
são as manhãs
de um outro amanhã"

Um ciclo que, ao fechar-se, se abre.
Como sempre, muito lindo o teu poema.
Um bjinho grande e uma flor

MPereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
SILÊNCIO CULPADO disse...

As manhãs são o início, a luz, a força para o dia.
As manhãs são a tua poesia e eu gostei.


Abraço

editora@lugardapalavra.pt disse...

Quero, antes de mais, felicitá-la. Pelo blog e pela qualidade da sa escrita.
Aproveito para corroborar uma sua afirmação produzida num outro blog em que alude a que, "nas editoras, há muito sapateiro a tocar rabecão"... Tem toda a razão. Mas, infelizmente, não é só no mundo editorial... gravita por aí gente dessa em todos os sectores.
No que diz respeito à editora que publicou o livro do António, não serei bom juiz em causa própria, uma vez que, juntamente com um outro sócio, era eu o editor... Sou professor de Língua Portuguesa, coordeno um centro de recursos educativos e sou formador. Mas, que saiba, infelizmente, não existe formação específica para se ser editor... Nesse campo, prevalecerá alguma experiência, bom senso, espírito empresarial e muita dedicação, empenho e paixão. E trabalho de todos os envolvidos num mesmo projecto...
Bom, entretanto, posso comunicar-lhe que o projecto que iniciei com a artEscrita (a edit. do António) continua, de pedra e cal, agora, com a designação de Lugar da Palavra Editora, Unip. Ldª (editora@lugardapalavra.pt).
E, bem vistas as coisas, até gostava de saber tocar rabecão...
Cumprimentos
João Carlos Brito

Isabel Branco disse...

Enquanto houver amanhã
de sol radiosa
ou de chuva chorosa
despontará outra manhã
como um botão de rosa
eclodindo esperançosa
sabendo a frutos, cheirando a romã...

Um beijinho.

poetaeusou . . . disse...

*
sublime,
parabens,
,
jinos,
*

ROMASI disse...

Obrigado por responderes.

Foste Também PLAGIADA PELO HEMILTON AFONSO no HI5.
Encontrei lá este poema assinado por ele.
*As manhãs febris exaustas solarengas e de esperança as manhãs cinzentas taciturnas nubladas e sem graça são as manhãs de todos os dias de todos os anos são as manhãs de volúpia as manhãs claras ignotas manhãs de nós são estas as manhãs que despertam no dia que o dia não espera. Manhãs de descobertas manhãs encobertas manhãs de hoje são as manhãs de um outro amanhã. hamilton afonso.

O Blog Pedra Filosofal também.

Eu tive de entrar para a porcaria do HI5 para dar com este trafulha.

Encontreo o teu poema seguindo no GOOGLE parte deste belo poema. LINK

http://rtp-pt.hi5.com/friend/book/displayOurBook.do?userid=220835422&toid=135587271&offset=140&page=next

Não estará em tempo de nos ubirmos para desmascarar este e outros gatunos
TEU AMIGO
Rogério Martins Simões