quinta-feira, 27 de setembro de 2007

Janelas

Janelas abertas
envolvidas por uma brisa
que vem de algures
de tempos de memória
de vozes e ecos
de pasmos e anseios
abertas janelas
esperanças sem fim
uma brisa de memória
um lento hastear
de algures um eco
de sempre um desejo.

21 comentários:

poetaeusou . . . disse...

*
ecoadas brisas
*
ji
*

Belzebu disse...

Há que manter as janelas abertas e a mente arejada!

Aquele abraço infernal!

Cusco disse...

Olá! Vi as janelas abertas e espreitei…
Agradeço a visita nas minhas Viagens e os parabéns que simpaticamente me foram endereçados.
Obrigado.

Beijinho!

MARTA disse...

Há sempre uma janela aberta, algures, para os sonhos, os desejos e as vontades.
Para vermos o horizonte....
Obrigada pela visita.
Até já
Beijos e abraços
Marta

TINTA PERMANENTE disse...

Abrir janelas deveria ser sempre um gesto de esperança; mesmo que em algures seja de desejo...
Bonitos, estes poemas!
abraço.

peciscas disse...

Ai de quem não vai conseguindo abrir janelas na sua vida.

Ana Patudos disse...

Passei pela tua janela e ...espreitei o que lá ia dentro: muito lindo Paulinha
Grande beijinho
Ana Paula

Amaral disse...

Uma janela aberta indicia que uma porta (velha e ferrugenta) se fechou...
Como bem dizes: "abertas janelas, esperanças sem fim"...

Anónimo disse...

Poemas muito bonitos
João Norte
intro.vertido.weblog.com.pt

Papoila disse...

Querida Paula:
Janelas abertas à brisa que sussurra... Janelas abertas à luz dos desejos.
Beijos

Isabel-F. disse...

gosto de janelas ...

para mim representam sempre a esperança em algo de novo e melhor ...


adorei as palavras do teu poema....


beijinhos e bom fim de semana

Eduardo Aleixo disse...

" Janelas " e " Esta voz " são belos poemas.
Leio o seu blogue com frequência. Gosto da sua poesia. Os seus poemas, curtos, são ao meu gosto.
Como sou alentejano também gosto de româs e de rosmano.

Parabéns.

Eduardo Aleixo

Eduardo Aleixo disse...

" Janelas " e " Esta voz" são belos poemas. Parabéns.

Eduardo Aleixo

A. Jorge disse...

Janelas abertas são frescura, são ar puro e renovado. è sempre bom ter uma janela aberta.

Abraço

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

Barão Van Blogh disse...

Soberbo poema .

"...Na água do mar sem pudor
Nu mergulhar tão lento ..."

Bom fim de semana .

Lumife disse...

Debrucei-me nas tuas janelas porque me sinto bem aqui...

"esperanças sem fim"


"de sempre um desejo"

Quanto dizer com tão pouco.


Bom fim de semana.


Beijos

J.G. disse...

Janelas abertas de par em par, que o ar fresco da manhã é bom companheiro de viagem.

Um abraço

António disse...

Paulinha!
Abre as janelas, abre!

Beijinhos

Betty Branco Martins disse...

Querida Paula Raposo

Já cá estou de volta:)))

Vim só dizer um OLA! e agradecer a visita na minha ausência

Voltarei mais tarde com tempo. Para ler e comentar

Beijos com muito carinho

In Loko disse...

As janelas, as portas, os caminhos, os trajectos... quanto mais abertos melhor... é fácil entrarem os passos, os pedaços dos ecos e desejos, os olhares da memória... nada está barrado... quem quiser que entre!

Muito bonito teu poema Paula!

Beijinho grande...

(quanto aos vigaristas e aldrabões minha amiga, já são tantos que assusta mesmo!)

Pepe Luigi disse...

Janelas são as portas mágicas do entendimento entre as pessoas, tão bem descrito aqui neste teu poema.

Beijos.