segunda-feira, 10 de setembro de 2007

Desejos

Cala-me este desejo
em sonhos
de noites insones
quando o ciclo
se completa
e o círculo se fecha
connosco.

Cala-me todos os desejos
que nas noites
dos dias
de mil ciclos
não se completam
e em círculos
nos revolvem.

Deixa-me desejar.

7 comentários:

wind disse...

A contradição do desejo:)

Bonita construção do poema:)
beijos

Amaral disse...

Pelo que me foi dado ler, regressaste na tua melhor forma... se é que estes poemas são de agora...
Quem sabe nunca desaprende, e quem é nunca deixa de ser!
Também com a poesia isso acontece...
E aqui acontece poesia!

António disse...

Querida Paula!
Andas a fazer uma poesia muito abstracta para o meu gosto e o meu entendimento.

Beijinhos

Vieira Calado disse...

Gostei deste seu sonante poema. Obrigado pela visita ao meu.
Desejo-lhe uma boa semana.

Toze disse...

Deseja à vontade :)

Um beijo

Passaro Azul disse...

Ol� Paula!
Que maravilha de poemas!
Parabens amiga,continua sempre em frente.
Dos meus v�os, que t�m sido raros, vou seguir-te sempre.
Um forte abra�o com amizade

Um Momento disse...

Não te cales...
Se tiveres que o fazer
Nem que em silêncio seja
Nunca deixes o desejo desaparecer

Beijo meu:))
(*)