quarta-feira, 1 de abril de 2009

Pássaro livre


Pelo vento eu sossego
as ideias,
no vento eu trago
os ideais e para o vento
eu levo as minhas palavras,
sou um pássaro livre
que voa intrépido
e se desilude
e se alegra na vida.

Sem vento também voo
com estas asas de paixão adiada
e também me iludo
e cubro a intemporalidade
num grito de liberdade!


Foto: Mário Galante

27 comentários:

alice disse...

apetece-me dizer uma coisa que parece um slogan, mas é verdade, o teu dá-me asas! :) beijinhos, paula.

Fenix disse...

Lindo!
A vida é, tal como o poema e ele tal como a vida, composto de opostos..., que nos fazem ora voar ao sabor do vento, ora contra o vento..., mas voar sempre!

Beijinhos
São


PS: Parabéns pelo livro!
Muitos parabéns!

Ana Martins disse...

"...Sem vento também voo
com estas asas de paixão adiada
e também me iludo
e cubro a intemporalidade
num grito de liberdade!"

Arrepiantemente belo!!!!!
Adorei!

Beijinhos.

Vieira Calado disse...

Bonito!

Expressivo e sereno.

Uma beijoca

Sonia Schmorantz disse...

Linda escolha, um poema muito terno ...
beijo

Maria Clarinda disse...

(..(...) isto quer dizer que todo o poema é maravilhoso, queria escolher aquela parte que mais me marcou....mas...em todo ele as palvras são simplesmente belas e profundas...tornando o poema soberbo!!!
Parabéns , Paula!
Jinhos muitos,

Laura disse...

Xi, já sei de quem é a foto, ou seja, não o conheço pessoalmente, mas, apesar d enem ouvir (já ouvi falar nele, ehhhh) mas que maravilha, que voar de gaivota...E vou copiar um poema meu que está no Sons de Amor...a nina clarinda que msotre ao dono da foto..se apreciar poesia, e assim, vai para os 3, porque a foto merece..beijinhos.

Gaivotas !...


Gaivotas que voam na bruma
E nela perdem seu rumo
Os caminhos se apagam
E voam por ali baixinho
À procura dos seus ninhos...

Gaivotas de asas brancas
Que se confundem com o mar
Quando ele se veste de espuma
E se zanga com a areia
E lhe dá para se espalhar...

Gaivotas de asas paradas
Ficam no ar a balançar
Deixam-se deslizar
E caem no mar
Quando ele se aquietar...

Gaivotas são seres do Infinito
Que voam até se perder de vista
E como não as vi regressar
Deduzi que por lá iriam ficar
Ou a flutuar no mar...

Gaivotas seres de asas brancas
A ondular
Que vivem e nascem do mar
Sempre a voar sempre a voar!...

Laura disse...

Olá, deixei comentário, mas como se evaporou, pelo sim pelo não deixo outro... Já ouvi falar no senhor que tirou a foto...e assim se ele gostar, a Maria Clarinda bem pode mostrar-lhe...Tenho este poem ano Sons de Amor..Beijinhos a tu porque a poesia está linda..laura.


Gaivotas que voam na bruma
E nela perdem seu rumo
Os caminhos se apagam
E voam por ali baixinho
À procura dos seus ninhos...

Gaivotas de asas brancas
Que se confundem com o mar
Quando ele se veste de espuma
E se zanga com a areia
E lhe dá para se espalhar...

Gaivotas de asas paradas
Ficam no ar a balançar
Deixam-se deslizar
E caem no mar
Quando ele se aquietar...

Gaivotas são seres do Infinito
Que voam até se perder de vista
E como não as vi regressar
Deduzi que por lá iriam ficar
Ou a flutuar no mar...

Gaivotas seres de asas brancas
A ondular
Que vivem e nascem do mar
Sempre a voar sempre a voar!...

Laura disse...

Ahh aposto que os coments ficam guardados até ver, assim, desculpa o duplicado..beijinhos.

Eduardo Aleixo disse...

São boas notícias. Beijos.EA

wind disse...

Lindo!
Beijos

Amaral disse...

Sem vento, o voo será mais suave...
É o sossego das ideias, da palavra que se recria, do sentimento que se desdobra...

vício disse...

nova versão do ipiranga?

notyet disse...

Por vezes planar... mas bem alto!
Beijinho

Å®t Øf £övë disse...

Paula,
Felizmente que de uma forma ou de outra ainda somos livres de voar.
Beijinhos.

peciscas disse...

A tua poesia, voa, livre e indómita e a gente gosta de a ver voar.

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Amigo pode ser de onde for
Mas se existir amizade
Sempre se lembrará de nós
Amigo pode estar do outro lado do oceano
Mas se o é de verdade
Sempre nos manda um abraço
Amigo pode estar em dificuldade
Mas sempre tem uma palavra amiga para nós
Amigo é aquele que te limpa a lágrima
Não o que faz com que ela caía
Sempre que precises de mim meu amigo ou amiga
Estarei por perto lembra-te
E eu terei junto de teu coração

Um abraço do amigo Eduardo Poisl

Maria Emília disse...

Obrigada pela sua visita ao Abraço da Gaivota e pela palavras que lá deixou. Seria a mesma gaivota?!!!
A foto é também sua.

Como o voo dos pássaros geram em nós ânsias de liberdade.
Um beijinho,
Maria Emília

clanDestino. disse...

Bons versos, Paula.

D.

Isa disse...

Passei para te dizer q.tens mimo para ti,no meu canto.
Beijo.
isa.

Fa menor disse...

Fizeste-me lembrar aquela canção dos Polo Norte - Asa livre:

"Abre as asas e vai
das tuas asas
as minhas também"

Voa, pois, nas asas do vento, e também sem ele, assim as tuas palavras se fazem poema lindo!

Beijinhos

Ana Gotz disse...

Voe pássaro sem rumo, voa sem destino, que eu quero esse mundo percorrer...

xistosa - (josé torres) disse...

Pássaro livre

Pela manhã e em sossego
as ideias
que já germinaram
leva-as o vento.
Somos livres
nas asas dum pássaro
procuramos o infinito
o sol a meu lado
olhando unigénito

Sem vento não voo
nem com asas de paixão
já não me iludo
e a intemporalidade gritará
toda essa compaixão.

(Parto de manhã cedo - quando acordar - vou até Valência e talvez Barcelona, depende da minha vontade de motorista, coisa que adoro)

Uma boa Páscoa!

xistosa - (josé torres) disse...

Esqueci-me de que o que escrevi, é um mau plágio do que li.

Um abração.

Jaime A. disse...

Lindo!
Essas asas são são liberdade. Sempre!
Beijos

Duarte disse...

Gostei imenso deste poema: chegou-me à alma.

Reconhecido

Rosa Brava disse...

Espero que não te importes que tenha levado "emprestdo" este poema e a imagem do Mário,

Agradeço a ambos a partilha.

Beijinhos e continuação de boa semana ;)