terça-feira, 23 de outubro de 2007

Fel

As palavras sabem a fel
tão amargas que rasgam
o vento,
traçam sulcos no rosto
trilhado de tantos anos.

Tão ásperas as palavras
que ferem o corpo,
que silenciam a vida
dos sonhos,
sabem a fel as palavras
que se desfazem
em negras nuvens de água.

9 comentários:

MARTA disse...

Marcam-nos para sempre e nem o tempo as expulsa...
Ficam num compartimento estanque..
e voltam à superficie quando estamos mais vulneráveis...
Lindo o seu poema - adorei..
Obrigada pela visita
Beijos e abraços
Marta

wind disse...

Há palavras que nunca esquecemos e descreveste isso muito bem.
Gosto da caricatura:)
Beijos

Um Momento disse...

Palavras são palavras...
Depende de nós o seu significado..
Dos outros o significado que a elas atribuem
Palavras... falam...ecoam...
Mas são palavras...
:o))

PS:Adorei a caricatura
Parabéns a ambos :o))

Beijo em ti
(*)

Papoila disse...

Lembrei Dalida...e Delon
"Paroles...Paroles... Paroles..." Muito boa a caricatura. O "sulcos" que mais contam são os da alma.
Beijos

António Sabão disse...

As palavras podem marcar, sim, e muito!
Oi quem é a cara linda que está ali ao lado?
bj

António Sabão disse...

Não tinha reparado, Paula! Obrigado pelo link! És uma querida! :)

poetaeusou . . . disse...

*
paulinha
*
palavras ocas ?
*

A. Jorge disse...

Muito bonito!Muito bonito mesmo!

Abraço

Jorge

http://vagabundices.wordpress.com/

Catarino disse...

Lindo poema...
Mais um....
Também tentei fazer uma incrusão pela poesia (quer dizer, tentei...)
BEijo