quarta-feira, 5 de agosto de 2009

O cabo


Cabe na palma da mão
o estreito patamar
da loucura
como se fosse
um precipitar
permanente

do sonho que o mar atinge

que o rochedo
segura em ti.


Foto: José Arroteia

23 comentários:

Maria Clarinda disse...

Paula como sempre lindo o teu poema(...)o sonho que o mar atinge(...)

Dá para ver que o Cabo da Roca hoje e como sempre estava lindo...descer até aquele primeiro ilhéu é sempre o desafio que me imponho a mim mesma, quando lá vou...e, venho plena deste (mar que o sonho atinge).
O Zé esteve em pleno na captação da foto.
Jinhos aos dois

peciscas disse...

Qual a diferença entre o sonho e a loucura?
Tão pequena que cabe mesmo na palma da mão.

Uma foto bonita e fresquinha (ainda conserva o cheirinho a maresia...), a inspirar este poema que coloco entre aqueles de que mais gostei.

CelyLua - O blog das Letras disse...

Palavras repletas de lirismo.
Sua inspiração é super fantástica, parabéns!
Beijos de poesias.
Com apreço,
CelyLua, Amiga e fã da sua doce inspiração...

Muito obrigada!

José Carlos Brandão disse...

Gostei. A loucura na palma da mão. Tanta beleza que o mar nos oferece - a beleza anda de mãos dadas com a loucura.

Beijo.

Justine disse...

Os cabos, interiores ou externos, são sempre de esperança e de loucura.
Palavras belas e ousadas, as tuas.

vício disse...

cabe na palma da mão?
pensei que estivesses a falar do cabo da roca mas pelos vistos deve ser o cabo de alguma ferramenta...

wind disse...

Gostei.
Bela foto.
Beijos

Kim disse...

Como sempre, lindo!
E a palma da mão diz-nos onde tudo acaba!
Beijinho Paola

mfc disse...

É curta a linha que nos separa de alguma insensatez...

Vicktor disse...

Querida Paula

Um belo poema pleno de misticismo como o próprio local fotografado.

Beijinho.

Jaime A. disse...

Um cabo magnífico (como sempre)!
Um resto de boa semana.

Vieira Calado disse...

Muito belo
este poema.

Por vezes os poemas curtos tocam-nos mais directamente
que os mais longos.

E a amiga sabe como eu preso

uns e outros.

Beijinhos muitos

Fa menor disse...

Cabe na palma da mão e surge num estalar de dedos...

Bjinhos

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Mesmo de férias não posso deixar de aqui vir.

O sonho, a loucura ...muitas vezes impossível, tão difícil de encontrar.

Bjs.

Lisa

Å®t Øf £övë disse...

Paula,
Às vezes é o cabo dos trabalhos entender o que escreves nas entrelinhas.

:)


Beijinhos.

Clotilde S. disse...

Paula,

Na palma da mão cabe o mundo...

Belíssimo poema.

Um abraço,

clo

Sonia Schmorantz disse...

Imagem e palavras encantadoras, como sempre!
beijo, lindo final de semana

antonior disse...

Mais um convite a um olhar sobre a diferença.
A diferença entre a loucura e a sanidade, entre o sonho e a lucidez.
Um olhar a que só resta, em última análise, a contemplação silenciosa, inconclusiva.
O silêncio nunca cabe na palma da mão, o universo sim...
Beijinhos

prafrente disse...

Vivemos num mundo em constante agitação.É "fácil" passar esse estreito patamar que separa a sanidade da loucura.
Precisamos de nos encontrarmos connosco mesmos...seja na agitação da nossa casa ou no silêncio da montanha, frente á imensidão e belezas do mar...

Descer a encosta do Cabo da Roca, com a máquina fotográfica na mão e a mochila ás costas, foi um desafio e um prazer extraordinários.Só não fui até ao fim porque tive um encontro imediato com dois seres humanos que, em plena encosta e bem no meio do meu percurso,procuravam acalmar os seus impulsos hormonais, que até rimam com sexuais...Retrocedi para não perturbar.Mas prometi, a mim mesmo, que regressarei...

Beijo grande

Jaime A. disse...

E é o sonho, o mar que nos move.
Beijo grande.

Jaime A. disse...

E é o sonho, o mar que nos move.
Beijo grande.

Maria Emília disse...

É linda a foto e aqui bem pertinho de onde vivo. Paro muitas vezes por lá. É um local magnífico para nos escutarmos.
Um beijinho,
Maria Emília

Viajantis disse...

...por vezes a loucura não cabe na palma da mão...nem as duas a agarram...