segunda-feira, 3 de março de 2008

Emoções

A Maria Mamede no passado sábado, leu o meu poema em Vermoim. Obrigada, Maria.

Sinto-as brancas pálidas
de tanto medo incontido
sinto-as rubras
exangues de tanto amor
que contido
incontido se desmancha
das emoções
sinto-as verde mar
salgadas brandas
nos braços incontidos
de pertencer
sinto-as fortes
batendo bátegas
beliscando o meu corpo
nas tuas/minhas
enormes emoções
sentidas.

7 comentários:

wind disse...

Muito bonito:)
Beijos

Amaral disse...

Foi lido, porque mereceu!
É um poema bonito que só o escreve quem tem o dom da poesia dentro de si...

Isabel-F. disse...

belissimo ...

e assino por baixo das palavras do Amaral.


beijinhos e boa semana

Graça Pires disse...

Estas tuas/nossas emoções contidas... Gostei imenso.
Quase me pareceu ouvir a Maria Mamede a dizer o poema...
Um beijo.

peciscas disse...

Leu e fez muito bem. Porque palavras com essa qualidade, merecem circular por muitos espaços e por muitos ouvidos.

leonor costa disse...

Parabéns, Paula! Lindo poema que bem mereceu essa distinção.

Beijinhos


HOJE E AMANHÃ

Carla disse...

uma verdadeira emoção ler este teu poema.
Parabéns