sábado, 30 de janeiro de 2010

Corpo


Percorre-me as veias
o uníssono afinado
das vozes vividas:
-profundos silêncios
marcados com ferros
de dor e amargura.

No teu corpo o frio
de um dia ausente.


Foto minha.

33 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Teus poemas vem sempre da alma, muito bonitos.
beijos, ótimo fim de semana

Sonhadora disse...

Lindissimo poema

No teu corpo o frio
de um dia ausente.

Adorei

Sonhadora

Isa disse...

Os temas q. sempre tocam a Alma Humana: ausência,pq.dói;o silêncio
sofrido;a saudade,sempre a saudade do
Amor q. partiu...
Tenho ido visitar e ouvir o Palavras de Ouro.
Penso q.apenas disse q.gostei.
Mas falta o resto:muito bem organizado,elaborado,excelente voz de quem diz os poemas.
Falar bem,sentida e sinceramente,é o
mínimo q. se pode fazer! E vocês merecem.
Beijo.
isa.

Justine disse...

Estas são também palavras de ouro:))

tulipa disse...

OLÁ PAULA

BELA FOTO.
LINDAS PALAVRAS.
PARABÉNS.

Como aqui ao lado está o convite para a minha exposição, em complemento a essa informação venho dizer que é hoje o último dia que está patente ao público.
Acabei de fazer um post com essa informação e algumas imagens.

Se clicarem nas imagens poderão ver em tamanho normal, bem como podem ler o texto que elaborei sobre as marionetas do Rajastão.

Existe entre sete a dez dias sagrados de adoração a Lord Ganesh, Ganpati, o simpático deus de cabeça de elefante,quatro braços e com um rato aos pés,filho de Shiva e Parvati, removedor de obstáculos e deus de força maior na constelação hindu.
A festa, as manifestações espontâneas de cor são por todo o lado, embriagando-nos de som e alegria.

Bom fim de semana.
Beijitos.

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Belo e sentido poema.

A dor da ausência. Um silêncio profundo...que dói!

Bjs.

Lisa

wind disse...

Gosto.
Beijos

António Sabão disse...

Sempre em forma! :)

Beijinhos

AnaMar (pseudónimo) disse...

Lindo.
Eu tenho o corpo quente e sinto-me ausente...

Bj

heretico disse...

por vezes "os silêncios" são de oiro
... como as palavras.

gostei do poema.

beijo

entremares disse...

O frio de um dia ausente.
Soa a solidão.
Ou talvez seja só a amargura de que falas.
Será a solidão sempre amarga?
Creio que sim.
Tempos houve, em que imaginava que estar só podia ser algo de mágico, de inspirador.

Estava errado.
A solidão é um monólogo,
e pouco se aprende a falar sozinho.

Beijos,
Rolando

Branca disse...

Solidão a dois é sempre a mais doída...


Boa noite amiga, um bom domingo e que a semana venha repleta de alegrias pra vc!

Manu disse...

Olá Paula!

Só sente falta de quem está ausente
aquele que ama de verdade e sente
e, amiúde, enfrenta a vil solidão
estando só, não há quem o aguente
na solidão a tristeza está presente
e viver triste é viver em escuridão

Bom Domingo. Beijos

Eduardo Aleixo disse...

Do alentejo mando saudações pelos bicos das cegonhas.Resto de domingo, bomn.

david santos disse...

Olá, Paula!
Vem mesmo de dentro. Fantástico! Parabéns e até sempre.

Tentativas Poemáticas disse...

Olá querida amiga Paula

Um poeminha pequenino e a dizer tanto!
Uma imagem magnífica, exactamente no dia em que eu disse que ia sorrir para o mar.
Beijinho com carinho.
António

Vieira Calado disse...

Paula:

O frio da alma é o pior!

Beijinhos

lena disse...

Paulinha, doce poeta

não resisti ao dia ausente...

o corpo vem com as marcas desse dia, onde a noite foi fria e nua.

a voz teve o condão de dizer palavras sentidas.

leio-te e transformo o corpo gélido em sonhos mágicos, cheios de cor, onde me deixo embarcar com a solidão ...

ler-te é um prazer muito grande

abraço-te ternamente e deixo-te numa @---->--- um beijo, querida poeta

lena

Viajantis disse...

...dias ausentes e corpos frios...a não existência!

Amaral disse...

Não é vasto como o mar mas faz das palavras o corpo vivo das ondas que se agigantam.
Ausente... para presente!

Osvaldo disse...

Paula;

Que mais possso eu dizer;

Que teus poemas são do mais belo e puro que leio?... já disse.

Que teu estilo literário é perfeito?... já disse.

Que empregnas de sentimentos, tudo o que escreves?... já disse.

Que é sempre um imenso prazer passar por cá?... já disse.

Bjs, Paula.
Osvaldo

joaninha disse...

Paulinha, o teu poema é profundo, diz mais doque se pode ler. Gostei... adoro os profundos silêncios, são uma boa companhia

Kim disse...

Paola
Como sempre - lindo!
Beijinho

Å®t Øf £övë disse...

Paula,
Palavras bonitas, mas tristes a contrastar com a beleza do mar.
Beijinhos.

Maria Emília disse...

Paula, gostei muito de ler o que disseste ao Diário de Notícias. Parabéns. Também fiquei a conhecer um pouco sobre ti e a tua poesia. Parabéns.
Um beijinho,
Maria Emília

Nilson Barcelli disse...

Magnífico poema. Em poucas palavras dizes tudo, e bem.
Querida amiga, boa semana.
Beijos.

Jaime A. disse...

Um sentido do sentido: muito concreto. Sempre a paixão, até a sua ausência.
Boa semana, Paula.

Sofá Amarelo disse...

Percorro os olhos pelas folhas do jornal e das páginas de poesia sobressaem vultos de letras escritas... escritas com as mãos de quem sabe digitar as palavras certas e pousá-las na centelha dos sentidos... Parabéns! Figurar ao lado de Fernando Pinto do Amaral é algo que merece ser destacado... talvez um dia seja o professor a sentir-se privilegiado!

Um beijinho grande! Gostei da reportagem, estava bem construida!

Conceição disse...

Adorei o poema, é forte porque é pequeno mas em poucas palavras apenas transmite muita alma.
A resposta ao desafio do selinho do David, também é assim, pequena mas com muita alma. Gostei mesmo muito. Beijoca

Carmo disse...

Olá Paula concordo com o Vieira Calado quando diz que o frio da alma é pior.

Gostei. Bonita foto

BEIJINHOS

cARMO

gaivota disse...

tudo arrefece... até a alma que dói!
e a distância...
beijinhos

as velas ardem ate ao fim disse...

Tu és linda!

bjo

vsuzano disse...

um silêncio ensurdecedor...