quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Restos

Fica sempre a mágoa
em qualquer partida
-mesmo agora-
que não se deseja;
não sobra o elementar,
e restam restos
de nada.

14 comentários:

wind disse...

Triste e verdadeiro.
Beijos

Rolando Palma disse...

A sobra dos dias é assim.
A palavra PARTIDA é sempre mais pesada que a chegada.
Talvez pela mágoa.

Tudo de bom para ti,

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Há mágoas que ficam para sempre...

Belo,triste e verdadeiro.

Bjs.

Sonhadora disse...

Minha querida

Um lamento belo e triste.

Beijinho com carinho
Sonhadora

epee disse...

A despedida não favorece necessariamente o encontro com as mágoas.

Há despedidas que se refazem entre os curtos períodos da memória, trazendo lembranças doces dos momentos vividos. Não é possível desprezar que enquanto durou, o encontro, foi bom, caso contrário...

Mas, sim, 'que não se deseja'... há quem tenha a opção de trocar amor ou saudade por ódio, ou por raiva, sabe-se, lá... não deixa de ser uma opção, inútil talvez, porque entre débitos e créditos... o saldo, negativo.




¬

mfc disse...

Fixei desoladamente a expressão..."restos de nada!"

Carmo disse...

As partidas são sempre tristes, sofridas...
Um beijo
Boa semana

heretico disse...

talvez os restos sejam húmus. onde as sementes germinem

beijos

Ana Oliveira disse...

Restos de nada... tristes e frustrantes restos do que já foi tanto.

Um beijo Paula

Vieira Calado disse...

Olá, Paula!

Há quanto tempo!...

Espero que tudo esteja bem!

Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

A partida é sempre triste. Mesmo quando é a de alguém que queremos ver pelas costas... excepto quando se trata de casos extremos.
Belo poema, gostei.
Beijos, querida amiga.

Graça Pires disse...

Quando até os restos de nada nos magoam podemos dizer: do cume da ternura te revejo, tão longe e tão perto do passado...
Um grande beijo, Paula.

© Piedade Araújo Sol disse...

as partidas são sempre triste, e as que sao para sempre ainda magoam mais.

um beij

Eduardo Aleixo disse...

"Onde e quando o espaço sem espaço e tempo onde as mágoas não existem, cada um de nós pétala da mesma flor sem memória..."
- poeminha meu.