quinta-feira, 4 de junho de 2009

Margens


Enquanto te sonho
não perturbo o teu silêncio
passo despercebida
e os meus passos são leves

deixo-te no momento
em que acordas
e me perguntas porquê

porque te sonho
e o rio tem margens
o teu sorriso abraça-me

e o porquê do silêncio
não o sabemos explicar.


Foto: Viajantis

30 comentários:

argumentonio disse...

conciso e certeiro, o poema, também substancioso nas margens da recíproca ilustração entre a imagem e as palavras

;->>>

BlueShell disse...

Sublime...tudo..
A mensagem, as palavras, a ternura que transparece...até à música....que nos "sacode" os sentidos....

Por tudo isso...obrigada

BlueShell

Sonia Schmorantz disse...

Hoje parece que todos resolveram falar em saudades, cada qual do seu jeito, fala de modo tão belo, que chego a pensar que ter saudade é bom, que ter saudade é inspiração, que ter saudade é o tempero desta vida, valoriza as esperas...
beijo

Maria Clarinda disse...

E o silênci é isso mesmo...silêncio!

Lindo mais este teu poema, Paula.
Jinhos

ellen disse...

Muito bonito. Parabéns pelo seu Blog por tanta elegância que ele transmite.

Um beijinho

Amaral disse...

Suave e silencioso como as margens dum ribeiro...
Ali, onde o momento se estende no sonho que o mundo lê...

vício disse...

é obvio que o silencio não existe!
apenas existe uma ausencia de som...

Mona Lisa disse...

Olá Paula

O silêncio e o sonho...uma bela conjugação quando se ama!

O silêncio diz tudo!

Bjs.

Lisa

Isa disse...

Minha Amiga,quanta sensibilidade.
Para quê explicar o silêncio se ele for de duas Almas Amantes?!!!
Beijo.
isa.

Laura disse...

Ah, feliz de quem entra nos teus sonhos e se mantém lá tão abrigado e guardado...pelas margens de um rio que te deixa sonhar...
Já abri a garrafita e, foi um truz, um triz e um ver se te avias. meio cálice de brandy, e agora vou clarear as ideias entre um sornar e outro. Hoje já nem saio, nem apetece..Beijinhos.

A.S. disse...

Paula;

"Diz-se que é violento o rio que tudo arrasta. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem!"

B. Brecht


Beijos!
AL

wind disse...

Bonito.
Beijos

Maria Emília disse...

Cara Paula,
Para mim silêncio significa também êxtase que acontece em momentos de paixãi, de amor, de alegria, de arrebatamento. É isso que consigo ler no seu bonito poema.
Um beijinho,
Maria Emília

AnaMar (pseudónimo) disse...

...Apenas ouvir. E sentir. O silêncio.

Palavras belas...

pin gente disse...

tenho-te sonhado acordada.
um beijo, paula

alice disse...

há coisas que, assim, sem explicação, sabem melhor :) um grande beijinho, paula.

peciscas disse...

No sonho as palavras são dispensáveis.
E não é preciso explicar os silêncios, tão naturais eles são.

Vieira Calado disse...

Olá, Paula! Tudo bem?

Não se pode explicar, as margens do silêncio.

Mas temos consciência do rumor do rio que corre.

Beijoca

Justine disse...

Muito belas, as "margens do teu abraço"...

Jaime A. disse...

Acho que nunca se consegue explicar o porquê do silêncio...
Adorei.
Bjs

:)

Ana Martins disse...

Querida amiga,
hoje vim dizer-lhe que há no Ave Sem Asas um prémio que lhe foi merecidamente atribuído.

O poema, excelente!

Beijinhos,
Ana Martins

Teresa David disse...

L'AMOUR TOUJOURS L'AMOUR NO SEU POETIZAR! MAS BEM!
BJS
TD

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Tenho no blog um "miminho" que gostava que levasses.

Bjs e bom fim de semana.

Lisa

heretico disse...

gostei muito. do poema .na sua entrega silenciosa. e terna

beijos

Eduardo Aleixo disse...

Este poema é sensacional. O rio das minhas águas deu-lhe muitos valores.Bom fim de semana. Um beijo

BOTINHAS disse...

Amiguinha Paula
Essa foto parece o lugar onde ontem dei um passeio, enquanto aguardava o jantar aqui na pensão onde me encontro.
Estou com uma vontade danada de regressar a casa!!!
A foto é linda e o teu poema maravilhoso.

Um bom fim de semana.

Abraço fraterno
Botinhas

Ana Martins disse...

Como sempre magnifico!!!!!!

Beijinhos,
Ana Martins

j. monge disse...

gosto muito desse sonho do sonho.

beijo!

Graça Pires disse...

O silêncio. Como explicá-lo senão com mais silêncio?
Um beijo Paula.

direitinho disse...

O silêncio é de ouro. Abraça-nos e leva-nos em longas viagens.
O silêncio é como um rio que nunca mais passará no mesmo sítio.
A água não tem retono.
O amor é um sorriso que nos abraça e comprime os pensamentos
Bonitas as imagens e os pensamentos sem rimas nem estrofes defenidas.