sábado, 29 de janeiro de 2011

Noites

Um pedaço de papel
a tua voz pinta
o quadro da nossa vida.
As tuas mãos
tocam o meu corpo
e a canção
será sempre a nossa.
Um dia,
ficarei à espera
que também nossas,
possam ser,
as noites.

10 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Paula

SUBLIME!!!

Um poema ao amor "em sentido proíbido"...

Os meus sinceros parabéns!

Bjs.

wind disse...

Lindíssimo!
Beijos

Carmo disse...

Olá paula,

Um belo poema de amor, quiça de um amor proibido.

Um abraço

Boa semana

Eduardo Aleixo disse...

Lindo e perfeito na sua construção.

Catarino disse...

Um poema de amor profundo e um profundo amor patente no poema...
Beijinho e obrigado pela visita..

manuela baptista disse...

e

quando as noites forem longas

podias dizer poemas, no jardim do lago

entre uma bica e um cigarro, o canto dos melros e o salto dos pardais!

um beijo

manuela

Gislene disse...

Oi amiga!

Tem um selo pra você no meu blog!

Abraço.

Aníbal Raposo disse...

Cara amiga,
Aqui estou de novo depois de um necessário interregno. Gostei muito do teu poema. Procuro também cantar pintando quadros da vida.
Beijo

Rolando Palma disse...

Ser completo, ser completa...
Não sei se será magia ou encanto, sei que todos o buscamos. E como dizia Richard Bach... " Não há longe nem distância ".

Tudo de bom para ti,
Rolando

Graça Pires disse...

Enquanto as noites não acontecem vão pintando a duas vozes o quadro da vida...
Um grande beijo, Paula.