terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Tardando

A tarde ia longa
e tardava o amanhecer
(na escuridão),
pelas vielas sombrias
de um estado de espírito.
Resta - ainda e sempre -
a esperança;
o olhar sobre o mar
e o regresso da saudade.

11 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Saudade e esperança dois sentimentos/emoções sempre de "mão dada.

Mais um BELO poema.

Bjs.

Sonhadora disse...

Minha querida

quando tudo parece desmoronar...fica sempre a esperança de dias melhores.
Lindo poema.

deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Graça Pires disse...

"O olhar sobre o mar"... Que bem que faz, Paula.
Um grande beijo.

wind disse...

Nostálgico, mas bonito.
Beijos

augusto, um entre mil disse...

porque, quando a saudade regressa, alguém partiu...

Mar Arável disse...

Uma vez mais a diferença entre ver e olhar no ciclo das marés

Bjs

© Piedade Araújo Sol disse...

Paula

o olhar sobre o mar...sempre!

esperança e saudade. andam sempre de mãos dadas.

beij

Eduardo Aleixo disse...

Falas do mar. E da esperança. Gostei da doçura melancólica com que as ondas beijavam as areias do teu coração. Beijo.

Carmo disse...

A esperança é o que nos dá força para continuarmos neste nosso caminhar.

Um beijo
Bom fim de semana

heretico disse...

"era a tarde mais longa de todas as tardes...". notá-se...

belissimo.

beijos

Vieira Calado disse...

Olá, Paula, boa noite!

Hoje venho simplesmente desejar

Feliz Natal

para ti e todos os teus!

Beijinhos!