terça-feira, 7 de junho de 2011

Eis-me

Consigo escutar o silêncio:
sinto que o sossego
me invade e penetra
todos os poros.
A ideia é essa - acalmar -,
viver por algumas horas
o que não consegui
em toda a Vida.
Revigorar os sentidos
e libertar-me
do que não interessa.
Eis-me aqui.

8 comentários:

Constantino, Guardador de Vacas disse...

Lindo! Paula tenho poucas palavras para os seus poemas. Eles são tão lindos e interiorantes(acho que inventei a palavra mas sinto-me bem com ela).

wind disse...

Um poema solto:))))
Beijos

mfc disse...

Importantíssimo para mim esse silêncio que tão bem disseste!

© Piedade Araújo Sol disse...

isso mesmo! Aqui e com a inspiração sempre em alta.

beij

Vieira Calado disse...

Olá, Paula!

Por vezes é difícil.

O que não interessa parece que se agarra a nós como uma cola....

Bjsss

Mar Arável disse...

Selecionar os silêncios

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Silêncios de que não abdico!

Bjs.

Jaime A. disse...

Tantas vezes o silêncio é o melhor ruído, o som da escrita o seu complemento.
Bjs