segunda-feira, 20 de junho de 2011

Mundo

Poderia falar da madrugada
- o tempo mágico -
e das vozes perdidas
entre gargalhadas
e sons inaudíveis.
Poderia falar da noite
que vem sempre
- inexorável e premente -
deitar-se connosco.
Mas, hoje, só posso falar
de saudade, de beijos;
imponderáveis e devaneios,
que me levam
- entre abraços e carícias -
ao fim do Mundo!

12 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Isso da noite vir deitar-se comigo... é que a minha jove é um bocado ciumenta.

valquiria disse...

gosto da noite, do silencio dela, da voz que eco dentro de mim, gosto da clareza dos pensamentos não interompido, gosto dos sonhos da noite, e gostaria de sonhar abraçada a noite.

abraço Paula.

isa disse...

Dizes com tanta gentileza aquilo que eu tb desejo para mim.
Beijo.
isa.

mfc disse...

E como se viaja tão bem na saudade do outro...!

Mona Lisa disse...

Olá Paula

...e de saudades vivemos.

Bjs.

Mar Arável disse...

Um belo desejo

© Piedade Araújo Sol disse...

a saudade que vem com a noite.

beij

Graça Pires disse...

A madrugada. A noite. O silêncio. Os desejos. Gostei imenso do poema, Paula.
Um beijo.

wind disse...

Lindo!
Beijos

rouxinol de Bernardim disse...

Paula,

Muito bem dito e sentido...

A sensibilidade é a mãe de todas as virtudes!

Jaime A. disse...

Poderias falar de tanto, mas o amor acaba sempre por ser o primeiro, por isso é que é o amor!!
Gostei muito.

Fátima Amaral disse...

Quando a noite nos cobre com seu manto negro,fica tudo tão mais claro dentro de nós....e tão mais tranquilo dentro da nossa cabeça.