segunda-feira, 21 de março de 2011

Átomo

Não sei representar
o voo das gaivotas
nem o barulho do mar bravo
- aqui à minha beira -
sumptuoso e alucinante
como a majestosa
inevitabilidade
de um átomo.

10 comentários:

wind disse...

Gosto:)
Beijos

mfc disse...

Mas soubeste admirá-lo através deste lindo poema!

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Descreveste-o, admirando-o.

Beijos.

Mar Arável disse...

O simples facto de o ter captado

com os olhos

é uma bela escrita

Sofá Amarelo disse...

Não é possível representar o voo das gaivotas porque elas são... livres!

© Piedade Araújo Sol disse...

não sabes representar. mas sabes transmitir sentimentos para a escrita.

beij

Eduardo Aleixo disse...

" sumptuoso e alucinante"
- a voz do mar
e o bailado das gaivotas.
Bj

manuela baptista disse...

os seus poemas

às vezes atomizam-me, Paula!

um abraço

manuela

Carmo disse...

Olá Paula, já experimentou representar o voo das gaivotas através do cheiro da maresia?
Um beijo
Boa semana

Graça Pires disse...

Podes não saber representar o voo das gaivotas nem o barulho do mar bravo, mas disseste-o muito bem...
Um grande beijo, Paula.