quarta-feira, 9 de março de 2011

Anseio breve

Do teu sorriso
guardo a fome
que não saciei;
das tuas palavras
não guardo
o significado,
por não o entender.

Guardo - se quiser -
a liberdade de ser eu,
nas dúvidas que não exibi;
porque na voz
do teu sorriso,
perdi - mais uma vez -
a luz que sempre anseio.

13 comentários:

Luciane Morais disse...

bom dia! Paula

Gostei do poema!

Um dia Lindo pra te*

Abraços,
Lu
http://olharacreano.blogspot.com/

wind disse...

Lindo de "morrer":)
Beijos

mfc disse...

... sempre temos esperança, mesmo quando a negamos!

Sonhadora disse...

Minha querida

Por vezes à quem parta...sem ter partido e o silêncio é apenas o eco da nossa voz...lindo como sempre o que escreves.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Andradarte disse...

Desilusão e tristeza???
Lindo poema
Beijo

Mar Arável disse...

Amores

quase perfeitos

Graça Pires disse...

"Guardo - se quiser -
a liberdade de ser eu,
nas dúvidas que não exibi;"
Guarda, sim Paula. É belo o teu poema...
Beijos.

Nilson Barcelli disse...

Magnífico.
Parabéns pelo enorme talento poético que estas tuas palavras revelam.
Beijos, querida amiga.

José Carlos Moutinho disse...

"Perdi mais uma vez a luz que sempre anseio"

Lindo poema.

© Piedade Araújo Sol disse...

memórias de amor.

beij

A. Jorge disse...

Olá!
Espero que ainda te lembres de mim. Interrompi a minha ausência de dois anos e cá estou eu de novo. Convido-te a visitares o meu novo espaço - http://escarniosmaldizeres.blogspot.com/ . É muito diferente do "Vagabundices" - http://vaggabundices.blogspot.com/ . Espero que gostes.

Beijos

Jorge

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Belo e triste poema.

Devemos tentar não perder a esperança.

Bjs.

Eduardo Aleixo disse...

Guarda a tua liberdade. Nunca a percas.
Eu gosto sempre de te ler, embora fique triste quando os teus poemas são tristes.
Abraço.