quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Sonho/som

Consigo ver-te.
Sinto-te.
O sonho é potente
e glorioso;
não se desfaz
- como as coisas -,
não morre.
Estás aqui e estarás.

Os teus olhos não mentem,
continuam luminosos
e vivos;
as palavras não - já -
se repetem:
têm o mesmo som azul de nós.

19 comentários:

wind disse...

Vale mais sonhar ou enfrentar a realidade?:)
Gostei do poema:)
Beijos

Graça Pires disse...

Quando o amor permanece...
Um beijo, Paula.

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Adorei!

Gosto de sonhar, receio o acordar...

Bjs.

Ana Oliveira disse...

As palavras...ou inúteis porque demais... ou desbotadas pelo uso...
e o sonho é sempre novo e brilhante.

Um beijo Paula

Andradarte disse...

Maravilha...Adorei
Beijo

Sonhadora disse...

Minha querida
Pode desaparecer a memória, mas do amor fica sempre o perfume.
Adorei o poema.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Jaime Latino Ferreira disse...

PAULA RAPOSO


O Sonho tem Voz


Se as palavras se repetem
som azul de nós
é porque como uma noz
um cérebro cheio de voz
sonha que o sonho não morre
se transfigura e ocorre


Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 2 de Setembro de 2010

© Piedade Araújo Sol disse...

é a saudade que fica...

gostei do teu poema!

beijo de maresia

Nilson Barcelli disse...

Eu é que me repito... mais um excelente poema.
Beijos, querida amiga.

Mar Arável disse...

Tantos azuis

Bj

Justine disse...

As palavras esgotam-se, os sonhos não. Nem a poesia:))

Aníbal Raposo disse...

Paula,

Voltei para ler-te. O sonho é muitas vezes mais palpável do que a realidade.

Beijo

Eduardo Aleixo disse...

Poema intimista, melancólico, de cor azul esmaecido. Bom domingo.

Vitor Guerra disse...

Eu gosto do Azul... cheira a mar, sabe a mar... é amar!

Beijo

Ivana disse...

Olá Paula,
Os sonhos, esses ninguém pode nos tirar. Um ótimo feriado. Um abraço!

OUTONO disse...

O amor nunca morre...

Nilson Barcelli disse...

Os sonhos de amor não são coisas e, por isso, persistem na memória.
Reli e gostei ainda mais.
Um beijo, querida amiga.

tecas disse...

Olá Paulinha, mais um belo poema...
é tão bom sonhar!
Fiquei radiante ao ouvir o Zé a ler o teu " regresso" . É lindo.
Bjito amigo

A. João Soares disse...

E, nisto, apareceu o S. Pedro! e fez-se luz! em vez do azul, do sonho.

Beijos
João
Do Miradouro