quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Folhas em branco

Nunca temi as folhas em branco,
antes pelo contrário
- sempre -
elas exercem sobre mim
uma atracção inevitável:
tenho que as encher
de letras e pensamentos,
sonhos, empatias
ou desencontros;
falar da luz
e das cores da Vida.

As folhas em branco
soltam a minha adrenalina:
preencho-as
e - vagamente -
completo-me mais um pouco.

13 comentários:

Mona Lisa disse...

Olá Paula

SOBERBO!

Uma folha em branco é o começo da nossa vida...

Bjs.

AC disse...

É uma excelente perspectiva, essa de as folhas em branco funcionarem como um convite a abrir as janelas da alma...

beijo :)

wind disse...

O conhecimento do Eu é essencial:)
Gosto do poema.
Beijos

© Piedade Araújo Sol disse...

Gostei...

também eu me sinto assim perante uma folha em branco.

um beij

Vitor Guerra disse...

Já eu, infelizmente, me assusto com folhas em branco...
Que difícil que é botar lá a primeira letra!
O que gosto mesmo é de preencher entre-linhas, já te disse que sou louco por reticências...?!
Beijo

Andradarte disse...

Que tenha sempre folhas em branco,
para nosso deleite.....

Beijo

Jaime A. disse...

As folhas em branco sempre inspirarm a escrita. Adorei!
Bjs

Carmo disse...

A quantidade de leituras que podemos fazer de uma folha em branco!
beijinhos

manuela baptista disse...

das folhas em branco

faço um barco
ou um avião

mas se nelas encontrar
as palavras preenchidas

é um pássaro que voa
em luz cor e vida

um beijo, Paula

manuela

Observador disse...

É preciso (saber) preencher as folhas em branco.

;)

Déia disse...

Adoro poder escrever minha história nas folhas em branco!

bj

F Nando disse...

Que importa o tamanho da folha em branco o importante é ter mesmo que um bilhete de transporte e nele escrevermos uma ideia um pensamento...
Bjs

Jaime A. disse...

As folhas em branco levam-te a embarcar nas palavras, no tempo. Sê sempre assim abençoada!!
Beijos