segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Vozes

De um lado o inevitável
perfume doce
das tuas mãos,
o soletrar no vazio
deixado para trás;
de um outro,
a promessa incumprida,
o ritual amargo
da despedida:
a perdida música
onde as notas falham.
Resta a volta
das vozes
e o sonho - ainda -
imperfeito.

8 comentários:

Vítor Fernandes disse...

E partiu porque quis?


Beijinho. Adoro a sua poesia.

mfc disse...

Quando falta algo... é imperioso continuar!

Mona Lisa disse...

Olá Paula

Belíssimo poema.

O sonho...a saudade...que dói.

Bjs.

Mar Arável disse...

O ciclo das marés

© Piedade Araújo Sol disse...

a saudade.
sempre!
beij

wind disse...

Gosto.
Beijos

Sonhadora disse...

Minha querida

Por vezes restam apenas as mãos cheias de nada e vazias de tudo.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

heretico disse...

belo poema. de uma dolência encantadora...

beijo