segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Os sons

Passam por mim os sons os eternos insatisfeitos os famintos alicerces da tua voz ao longe. Passo - também - por eles divagando os contornos as trovoadas de luzes fertéis. É mais um dia de um dia que sempre termina. Paula Raposo - Outubro de 2012.

3 comentários:

O Profeta disse...

Este pensador, viageiro entre Sois
Esta Ave pousada em mil embarcações
Este barco que passa sem vela ou remo
Esta arca repleta de vibrantes emoções

Esta mestiça flor de açafrão
Este ramo de espinhos cravados na mão
Esta alma que não ousa largar opinião
Este homem vestido de solidão

Ouvi um som profundo e breve
Vindo de uma perdida lembrança
Toquei de leve os trincos da memória
E senti o golpe frio de uma afiada lança

Boa semana


Doce beijo

wind disse...

Gosto destas palavras.
Beijos

Mar Arável disse...


... entretanto

tambem existem dias intermináveis

por instantes